Sistema de Bibliotecas

Universidade Federal do ABC

Horário de funcionamento: 

De segunda a sexta-feira das 08h às 22h e aos Sábados das 08h às 13h30.

 

Biblioteca Santo André:

Avenida dos Estados, 5001
Bairro Santa Terezinha - Santo André
CEP: 09210-580
Telefone: (11) 4996-7933
E-mail:
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  

 

Biblioteca São Bernardo do Campo:

Alameda da Universidade, s/nº
Bairro Anchieta - São Bernardo do Campo
CEP: 09606-045
Telefone: (11) 2320-6200
E-mail:
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

Informações gerais sobre o Sistema de Bibliotecas:

Telefone: (11) 4996-7930

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.    

  

Biblioteca Universitária 

Registro CRB/8 3706

Siga-nos

Sophia Scielo   __ 
fapesp ibict2    
capestv periodicos    
cnpq comut    
springer dominpub    

ebscoebooks

     
 

 


  

Anúncios

Junho 27, 2017

Tiltintar flutuanteReluz o cintilanteDa borboletaBrilahnteAsa de fada porpurinadaCaindo suaveAs vezes gritandoBorboletas, fadasBolhas de sabão transparesntesAmantes gritantesTodos aos s


Os mutantes

Junho 26, 2017

os mutantes

 

Todos os dias o meu silêncio e penumbra

São incomodados com a presença de dois mutantes.

Com conversas delirantes,

Entram com um alvoroço perturbador

Causando tanta inquietude quanto dor

Não sendo possível saber o que com isso se vislumbra.

 

Se é dia,

Abrem janelas e portas

Então, Adeus sossego!

Se é noite,

Ascendem

O abajur,

A luminária,

A luz do teto.

 

Para quê diabos tantas luzes!?

Tanta claridade para quê!?

 

Pensando bem, recordo de quando meus ares

Estavam mais negros que minha amada penumbra.

Pesadelos,

Travesseiros molhados pelo suor do horror

Lágrimas,

Irrigando os lençóis e o ombro do outro ator

Coisas do UM,

Que da vida não queria mais saber.

Por muitas vezes o UM, achou no colo do OUTRO

O aconchego que minhas quatro paredes não puderam oferecer

Mais calor que qualquer cama e cobertor ao dobro

Coisas do UM.

 

E eu caixa de concreto, irritadiça com tantas confusões

Não tenho muito que fazer, pois minha vida sem eles seria um grande oco.

E talvez tantas luzes e inquietações

Sejam para afugentar as lembranças dos velhos tempos de sufoco.

 

 

(Fuló)


Posted in: Escrita, Fuló

Palestra no Museu de Santo André

Junho 21, 2017

É amanhã, quinta, 22/06! Palestra do professor Juarez Donizete Ambires sobre “A escrava Isaura” no Museu de Santo André.

 

19275265_1403550486403855_2415570533423097920_n


Posted in: Divulgação

Na casa da mãe Joana

Junho 20, 2017

As paredes cá têm ouvidos, mas não tem bocabed-1846251__340

Se tivessem, diferença alguma faria

Água e conselho, só se dá a quem pede

Mas cá, nem as paredes se confessam

O que acontece entre as quatro, fica e adormece

Na cama desarrumada, quem desperta não espera

No quarto emudecido, a palavra é prata e o silêncio é ouro

Antes calar que mal falar

Antes fingir, do que revelar.

Antes só do que mal acompanhado.

Antes tarde do que nunca

Já foi, que venha outro

A seu tempo, a seu lugar

A bom entendedor meia palavra basta

As paredes cá têm ouvidos, mas não tem boca

Se tivessem, lembrariam de sussurrar

Fofoca boa, é bem contada

Tainá Roberta


Posted in: Escrita, Tainá Roberta

Junho 14, 2017

The inner part of something; the inside. -the interior has been much restored-. Synonyms- inside, inner part, inner area, depths, recesses, bowels, belly; More antonyms- exterior, outsid


Posted in: Divulgação

Havia um tempo em que não havia o tempo era só dia e noit...

Junho 14, 2017

The inner part of something; the inside. -the interior has been much restored-. Synonyms- inside, inner part, inner area, depths, recesses, bowels, belly; More antonyms- exterior, outsid

Havia um tempo

em que não havia o tempo

era só dia e noite

noite e dia

dia e noite

noite e dia

O escuro se fazia claro

e o sol aparecia

dia e noite

noite e dia

A lua às vezes vinha

outras vezes ela sumia

dia e noite

noite e dia

Minguando a noite

noviando o dia

era crescente

e era cheia

No tempo em que havia tempo

o sol aparecia

Mas um dia eles vieram

não era noite,

era dia

o sol atrás das nuvens brilhava mas ela não via

e mesmo que não houvesse nuvens, ela também não veria

era dia

e ela dormia

E eles chegaram armados

com cavalos, lança e espada

tanques, bomba e granada

carros, fuzis e pistolas

trem, catraca e tarifa

banco, boleto e juros

crachá, ponto e chefia

carreira, esforço e sucesso

amor, casamento e filhos

ordem, justiça e progresso

dinheiro, poder e razão

Inglês fluente, excel, edição de vídeo, ótima redação

teatro, cinema, parque e balada

A cara é de inocente

o olhar é de safada

Eles chegaram

e ela não viu nada

Não tem mais foto

não tem mais match

não tem mais post

não tem mais like, comment ou share

Eles chegaram e ela

dormia

trouxeram ouro, incenso e mirra

e quando abriu os olhos

lá estava ela

pregos atravessando 

as mãos

pregos atravessando 

os pés

o sangue vermelho escorria

enquanto os ponteiros do alto da torre anunciavam

que 

havia 

chegado 

o tempo

Celina


Posted in: Celina, Escrita

Sem título

Junho 13, 2017
bed-linen-1149842__340
Quatro paredes
Úmidas de chuva
Guardam
O canto
A cama
O coito
A poeira
Eu, alcova solitária
Com um corpo-imagem
Sob o leito-ranhura
Afogada em areia movediça
Alma frouxa
Preguiça
Figura-reflexo-triste
Andarilho de obras
Livros, gastura, frescura
Brinquedos
Carinho
Segredo
Encostos
Eu, o todo, a câmara
Os trajes
As vestes
As roupagens
Espalhadas no mar de tonturas
Eu
A alcova
O secreto
O teto
O quarto
Maristela Rocha

 


Posted in: Escrita, Maristela Rocha

Próximo encontro do Núcleo

Junho 13, 2017

Happy EnglishLanguage Day to thee!


Posted in: Divulgação

Junho 9, 2017

$20.00


Posted in: Divulgação

Esse cômodo sou eu

Junho 9, 2017

[…] Apenas mais um cômodo de uma casa velha qualquer, como uma ilha, rodeada apenas por mulheres…Sozinha nas tardes frias, me pergunto “Qual o meu papel nessa casa?” ou “Por que só as mulheres vem trabalhar aqui comigo?”. Meu amigo fogão diz que é coisa da minha cabeça, mas escuto ele todas as noites reclamando que o gás dele está esgotando e ele está ficando cansado, assim como a pia, que reclama do frio. Toda manhã é lestressante. Toda família senta nas cadeiras, para tomar um bom café da manhã, mas quando as crianças sentam também…iiiih, a mesa fica até com medo. Café, leite, achocolatado, manteiga, talheres e objetos em cima da coitadinha. O pior é quando ela fica careca, sim careca…A mamãe tira a toalha da cabeça dela todos os dias, ela fica carequinha…depois disso, volta tudo de novo a nossa rotina, com o fogão sem gás, a pia com frio, a mesa careca e eu aqui, apenas observando tudo esperando o próximo a entrar.

 

Matheus Eduardo


Posted in: Escrita, Matheus Eduardo