Sistema de Bibliotecas

Universidade Federal do ABC

Horário de funcionamento: 

De segunda a sexta-feira das 08h às 22h e aos Sábados das 08h às 13h30.

 

Biblioteca Santo André:

Avenida dos Estados, 5001
Bairro Santa Terezinha - Santo André
CEP: 09210-580
Telefone: (11) 4996-7933
E-mail:
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  

 

Biblioteca São Bernardo do Campo:

Alameda da Universidade, s/nº
Bairro Anchieta - São Bernardo do Campo
CEP: 09606-045
Telefone: (11) 2320-6200
E-mail:
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

Informações gerais sobre o Sistema de Bibliotecas:

Telefone: (11) 4996-7930

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.    

  

Biblioteca Universitária 

Registro CRB/8 3706

Siga-nos

Sophia Scielo   __ 
fapesp ibict2    
capestv periodicos    
cnpq comut    
springer dominpub    

ebscoebooks

     
 

 


  

“Um pequeno impulso musical” (a interrupção temporária do silêncio)

Julho 15, 2017

– Ah; que vontade de cantar!

… As canções estão soltas entre diversas palavras em quase todas as línguas e costumes simples ou complexas com cadências regulares ou irregulares livres de qualquer preceito moral…

*A dois amigos.

Algumas pessoas soam e são como canções ao vento, de pouco peso, assim como nuvens passageiras, crônicas diárias, destituídas da rigidez, insubmissas ao rigor excessivo das autoridades, seguem sempre avançando, sem propósito ou proposta definida, não reverenciando etiquetas nem baquetas ou batutas e não buscando a fama ou a glória ou nenhum outro resultado prático, continuam apenas sentindo os ritmos confusos e caóticos da vida, dançando frouxas, sem limites, em intermináveis circunferências absurdas. Prontas; antes mesmo de serem inventadas ou codificadas, elas estão ali, sempre presentes, dispostas nuas, cruas, naturais, soando entre antigas folhas brancas, passando por todas as épocas, ilimitadas, vibrantes e frenéticas, criadas ao acaso, sem pesquisas.

(sons, movimentos, variações fora do comum, distraindo, divertindo os mortais)

 

– Sei que Deus me fez homem; e me deu o domínio sobre todas as obras da sua mão, e sob meus pez tudo colocou, mas as vezes, tudo o que sinto é um pequeno impulso musical.

– Ah; que vontade de cantar!

Neto Aaron França. SBC 26 de junho de 2017

 


Próximo encontro 15-07-2017

Julho 15, 2017

Boa noite,

O próximo encontro do Núcleo de Criação Literária será realizado neste sábado, às 11h00, na Livraria Alpharrabio. Estaremos todas(os) lá prestigiando o lançamento do livro “A Mulher Antiga”, poemas de Dalila Teles Veras – Coleção PerVersas – Literatura de autoria feminina, volume I. A atividade é gratuita e aberta ao público.

Livraria Alpharrabio
R. Dr. Eduardo Monteiro, 151 (altura do nº 1000 da Av. Portugal) – Jardim Bela Vista – Santo André, SP 4438-4358

Equipe NCL.

19961672_1734275853268360_6421613288443295017_n


Posted in: Divulgação, encontros

Tic- Tac

Julho 6, 2017

Passa o tempo

Passa a hora

Perdeu-se o andamento

Congestionou-se a aurora

Passa o tempo

Passa a hora

Não há mais discernimento

Só vontade de ir embora

Passa o tempo

Passa a hora

Cada minuto é cerceamento

Cada segundo um quarto de outrora

Passa o tempo

Passa a hora

Quem dera um movimento

Quem dera pertencer ao agora

Passa o tempo,

Vê se não se demora

Passou o momento

Mas não a vontade de melhora

Tainá Roberta

time-371226__340


Posted in: Escrita, Tainá Roberta

Lava quase vulcânica

Julho 4, 2017

 

Nos meus vales sussurras palavras melódicas

Com perfeita fluência, ventania de cadências harmoniosas

Nas colinas dorsas tocas trazendo arrepios vulgares

Gravuras se encravam nos pelos das rochas extrusivas e sedimentares

 

Viris momentos de viagens latentes

Meus cabelos envoltos em fluxos ardentes

Pelo rosto desenhas com toques suaves e quentes

Quem me dera meu Deus fossem sempre presentes

 

Os toques esquentam mesmo que antes gelados

livremente passeiam entre os mundos conectados

Do infinito, sabe Deus, o que ainda não alcançamos

Pois até sem saber, com sons inaudíveis conversamos

 

Rapidamente me guias a erupções vulcânicas

Me estremeces abalando minhas placas tectônicas

Abalos sísmicos energéticos com frequências harmônicas

Calor que vem de dentro volatiza os pensamentos insanos

 

E quando chega às margens do oceano

Solidifica formando geologias abluídas

A quebra rítmica devolve o poder auditivo leviano

Palavra volta a ser palavra, magia acaba,

Maldito tempo profano.

 

Lucas Figueiredo

lava-656827__340


DIRETAS, JÁ!

Julho 1, 2017

 

Certeza, cerveja, carne e carvão,

Estreita a peleja, não há quem não esteja com o copo na mão.

Aqui se festeja, gargalha, pragueja roda que nem pião,

Vira duque e duquesa

de gentis à realeza

sem o balde e o esfregão

Oh, Senhor, tenha a fineza,

de tomar-me a tristeza

e devolver-me a eleição.

Ivone Mariano

abre2-1354731


Posted in: Escrita, Ivone Mariano

Protagonistas do Núcleo

Julho 1, 2017
Neto Aaron França
Neto Aaron França- Escritor

 

P1230752
Ana Aparecida- Mediadora dos encontros
P1230657
Lucas Figueiredo- Escritor
P1230586
Mara Aline- Escritora
P1230560
Ivone Mariano- Escritora

“São Bernardo: Quem sabe faz a hora!” (hora de arrancar os espinhos)

Junho 29, 2017

…Tudo tem seu tempo determinado, e há tempo

para todo propósito debaixo do céu: tempo de plantar

e tempo de arrancar o que se plantou.

(Ec.3:vs1e2)

A terraplenagem sob o relógio da matriz:

Tic-tac a elite planeja, faz e planta.

Tic-tac o povo desfaz, nega e arranca.

Nas ruas; zero hora:

Tic-tac tempo de mudança.

Espinheiros nos logadouros! Não chega a ser uma bomba atômica ou sequer um spray de inseticida sobre os parasitas dos jardins, ruas, passeios e praças públicas. Esta composição poética de pouca extensão serve apenas como leve sobrecarga elétrica moral, livre de peso ou pressão, verso valorizando a ética e não a métrica, abusando da fonética e mais; revelando à população do ABC os desígnios oculto dos filhos de antigos soldados militares, atuais herdeiros da propriedade privada, chefes e senhores de toda a plantação espinhenta local. Severos, desumanos, de forma traumática esses falsos lavradores sem alma mataram as batatas plantando palmas, cactos e mandacarus, transformando a cidade num grande quintal de obras.; árido, nocivo, infrutífero, cheio de urubus.

Que temos na cidade?

Substâncias venenosas?

Plantas daninhas?

Ervas más?

O território sob o cartório de notas:

Tic-tac a elite fixa e demarca.

Tic-tac o povo modifica e desmancha.

Nas ruas; zero hora: tempo de mudança.

OBS: Esta única faísca busca revitalizar os lugares públicos em oposição à velha política agrícola e apesar de não possuir muitos recursos procura em poucos minutos incendiar os antigos arbustos rutáceos que não produzem mais frutos atraindo atenção para o plantio de várias espécies de árvores frutíferas.

…Em Brasília 19:00 horas.

Neto Aaron França

Igreja_Matriz_de_São_Bernardo_do_Campo
Igreja Matriz de São Bernardo do Campo

Junho 27, 2017

Tiltintar flutuanteReluz o cintilanteDa borboletaBrilahnteAsa de fada porpurinadaCaindo suaveAs vezes gritandoBorboletas, fadasBolhas de sabão transparesntesAmantes gritantesTodos aos s


Os mutantes

Junho 26, 2017

os mutantes

 

Todos os dias o meu silêncio e penumbra

São incomodados com a presença de dois mutantes.

Com conversas delirantes,

Entram com um alvoroço perturbador

Causando tanta inquietude quanto dor

Não sendo possível saber o que com isso se vislumbra.

 

Se é dia,

Abrem janelas e portas

Então, Adeus sossego!

Se é noite,

Ascendem

O abajur,

A luminária,

A luz do teto.

 

Para quê diabos tantas luzes!?

Tanta claridade para quê!?

 

Pensando bem, recordo de quando meus ares

Estavam mais negros que minha amada penumbra.

Pesadelos,

Travesseiros molhados pelo suor do horror

Lágrimas,

Irrigando os lençóis e o ombro do outro ator

Coisas do UM,

Que da vida não queria mais saber.

Por muitas vezes o UM, achou no colo do OUTRO

O aconchego que minhas quatro paredes não puderam oferecer

Mais calor que qualquer cama e cobertor ao dobro

Coisas do UM.

 

E eu caixa de concreto, irritadiça com tantas confusões

Não tenho muito que fazer, pois minha vida sem eles seria um grande oco.

E talvez tantas luzes e inquietações

Sejam para afugentar as lembranças dos velhos tempos de sufoco.

 

 

(Fuló)


Posted in: Escrita, Fuló

Palestra no Museu de Santo André

Junho 21, 2017

É amanhã, quinta, 22/06! Palestra do professor Juarez Donizete Ambires sobre “A escrava Isaura” no Museu de Santo André.

 

19275265_1403550486403855_2415570533423097920_n


Posted in: Divulgação